O Poder de soltar XII

November 19, 2016

 

Em última instância existem duas formas de resolver os problemas: uma pela competição “jogando o jogo do mundo” e a outra é soltar o mundo. Isto é, estar no mundo, mas não ser do mundo. São completamente diferentes e antagônicas. E misturar as duas coisas não funciona.

 

Querer competir soltando não funciona porque para soltar é preciso que seja “do fundo do coração”. Tem de ser totalmente sincero nisso. Quando se solta é porque não há apego. Soltar não pode ser usado como técnica. Tem de ser uma filosofia de vida. A competição implica em estar dentro da matrix com todas as consequências que isso traz. As regras são as da matrix e as consequências também. Na prática significa competir com outros 7 bilhões de habitantes. É uma situação muito complicada e difícil. Porque na competição pura e simples o que vence é o que destrói. A história da humanidade está repleta destes exemplos. O que fundou um império foi o que mais destruiu e assumiu o poder. Assumir o poder é considerado como sucesso. Vejam a história a partir dos sumérios e todos os impérios que vieram depois. O foco foi sempre na destruição, pois os impérios foram construídos a partir de guerras vencidas pelo que mais destruiu. É lógico!

 

O soltar é o contrário disso. É atuar de acordo com o fluxo do universo. Nunca impor nada. Deixar o fluxo seguir sem interferência, sem ansiedade, sem pressão, sem força, etc. Fazer o que necessário trabalhando e estudando e construindo e esperar os resultados que virão inevitavelmente. Esta é a maior ação que a pessoa pode fazer. Nunca forçar nada.

 

Conciliar essas duas formas de ver o mundo é impossível. Fica-se preso numa tensão sem solução. Num dilema eterno entre forçar os acontecimentos e não forçar. Fazer acontecer pela força ou deixar acontecer naturalmente. E essa distinção de atitude é pelo sentimento. E o universo sabe o que a pessoa está sentindo e age em função disso. É por isso que quando se põe força a coisa fica muito difícil de acontecer e tem consequências ruins. O universo sabe se a pessoa soltou ou não. É por esta razão que o dilema entre forçar e soltar paralisa tudo. Somente quando soltar “de coração” é que as coisas fluirão como devem ser.

 

Compreender isso é da mais alta importância e deveria ser a prioridade absoluta.

 

Hélio Couto

www.heliocouto.com

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Novo vídeo: Sociologia do soltar

July 10, 2017

1/10
Please reload

Posts Recentes

January 28, 2017

January 3, 2017

January 1, 2017

December 4, 2016

November 21, 2016

November 19, 2016

Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

Hélio Couto - O Poder de Soltar - Todos os direitos reservados

Hélio Couto
Pat logo4.png
  • instagram
  • Facebook Social Icon
  • LinkedIn Social Icon