O Poder de soltar I

October 29, 2016

 

 

Soltar não é deixar correr ou não fazer nada. É justamente o contrário. O conceito de ação através da não-ação precisa ser muito bem meditado para ser entendido. Já que esse conceito é um sentimento. Intelectualmente pode se pensar que é não fazer nada e esse é o perigo da inação. O soltar é interno, é um desapego interno, filosófico, existencial. É uma visão de mundo completamente antagônica ao apegar-se ao mundo. É estar no mundo, mas não ser do mundo.

 

E aqui é que começa a questão. Existe uma ciência por trás do soltar. Soltar não é apenas uma filosofia de vida, é a pura Teoria do Caos. É física no mais absoluto sentido. É entender exatamente como funciona o universo.

 

Na verdade, o termo Caos significa a mais perfeita Ordem. É o equilíbrio do universo. O universo detesta o desequilíbrio. Mais cedo ou mais tarde haverá um evento que retomará o equilíbrio universal. Todos estamos dentro do Caos embora não pareça. Com o aumento da percepção consciencial é possível perceber os padrões do Caos em que estamos envolvidos. O entendimento disso tem uma função extremamente prática na vida. Não é uma coisa abstrata. Todas as decisões que precisamos tomar na vida estão dentro deste conceito. Se as fizermos conscientes disto acertaremos sempre. E evitaremos sofrimentos desnecessários. Essa busca de equilíbrio chama-se auto-organização. O universo é um sistema auto regulador. Ele tem uma homeostase que corrige sempre os desvios que acontecem devido aos seres que habitam o universo. Desta forma o bem-estar geral é garantido sempre. 

 

Quando se fala que uma borboleta bate as asas no Brasil e provoca uma tempestade na Tailândia é a mais pura verdade. A influência pode parecer sutil, mas é extremamente poderosa. Um dos descobridores da Teoria do Caos foi Edward Lorenz, meteorologista, que percebeu o efeito repetitivo da iteração da sua fórmula de modelo climático. Os dados que saem da fórmula podem ser aplicados novamente na mesma fórmula e assim por diante, demonstrando a amplificação do feedback positivo ou negativo. É desta forma que a borboleta influencia tudo. Um pequeno gesto repetido inúmeras vezes. Nunca se deve achar que uma única pessoa não tem poder algum. É justamente o contrário. O poder de uma pessoa é o poder de uma borboleta. A borboleta pode bater as asas e os humanos podem tomar decisões. Essas minúsculas decisões diárias são o bater das asas da borboleta. 

 

A não-ação é a iteração da fórmula de Lorenz. A pessoa está deixando o universo funcionar por si só. Os dados entram outra vez na fórmula e provocam um resultado amplificado. Entram novamente na fórmula e vão exponenciando o resultado. Quando colocamos pressão ou ansiedade estamos querendo usar os resultados da primeira vez que usamos a fórmula. Isso é a pressa, o desespero, a força, a insistência, etc. É preciso deixar os dados entrarem outra vez na fórmula e assim por diante. Dando tempo ao tempo para que os resultados corretos apareçam. Sem pressa. Esperando o universo chegar no resultado que deve existir. Pode ser que para que uma solução apareça seja preciso aplicar a fórmula dez vezes ou cem vezes. Não há como saber quanto se deve esperar a computação da fórmula para aparecer o resultado. Deve-se soltar a pressa e esperar pacientemente até o fim. 

 

O deixar correr ou não fazer nada é a mesma coisa que não usar a fórmula. É preciso pôr os dados na fórmula e acompanhar o que acontece. Estamos falando de uma fórmula matemática. Não é um conceito metafísico. Quando fazemos nossa parte e soltamos o resultado é a mesma coisa que pôr o computador para funcionar e esperar o resultado. Imagine que sejam necessários trilhões de cálculos; isso levará um tempo e isso é o soltar. Esperar o resultado seja ele qual for. Não podemos manipular o computador para obtermos o que queremos. Temos de esperar. Querer manipular é a pressa, a ansiedade, a pressão, a força, o querer porque quer, etc. Fazemos tudo o que é possível e esperamos o resultado. E continuamos fazendo tudo que podemos dia a dia até o resultado aparecer. 

 

A descoberta da Teoria do Caos foi uma coisa extraordinária e está mudando toda a forma de ver o universo. Suas aplicações ainda estão sendo descobertas. E uma delas é o que estamos descrevendo aqui. Quando fazemos pressão estamos criando um efeito Zenão quântico. Paralisamos a realidade. É como parar o computador. Não se tem resultado algum. Quando soltamos a realidade e deixamos o computador trabalhar teremos o resultado. Seja ele qual for. 

 

Isso pode ser visto facilmente no mundo dos negócios. Quando forçamos um cliente a comprar o produto, quando fazemos mais dívidas para pagar outras dívidas, quando queremos que um negócio dê certo de qualquer forma, sem considerar todas as variáveis envolvidas no negócio. O ter que ganhar, ter que vender, ter que dar certo, ter que conquistar, ter de vencer, etc. é o que causa todo o problema. Nunca se pode por pressão em nada. Simplesmente não funciona. Quanto mais pressão menor o resultado.

 

Toda a realidade pode mudar apenas dependendo de pequenas decisões de cada pessoa de soltar os resultados. Não se apegar. Se o resultado são 10 ótimo, se são 100 ótimo. Está bom de qualquer forma. Quando se sente assim sempre o resultado será o melhor possível. Quando se quer forçar que seja 100 os problemas aparecerão inevitavelmente. É preciso deixar fluir e entrar no fluxo. O rio corre para o mar. Não é preciso preocupar-se com isso. Um bom dia dado com alegria e boa vontade tem um efeito multiplicador enorme. É um simples gesto que muda uma pessoa, que mudará outra, que mudará outra e ...

 

Agora vejamos o outro lado da moeda. Caso um vendedor receba uma ordem para prejudicar um cliente, fazendo um mau negócio para o cliente, e ele recusar-se a fazer isso qual é o resultado? Esta atitude de não prejudicar o cliente mudará a forma do cliente ver a vida e os negócios. Este cliente pode fazer a mesma coisa com seus próprios clientes e assim por diante. O efeito borboleta está criado. Até onde pode chegar esse efeito? Ninguém sabe, mas o potencial é gigantesco. Pode haver uma consequência negativa para o primeiro vendedor que não quis prejudicar? Pode. Mas, alguém tem de dar o primeiro passo. E só há necessidade do primeiro passo. O efeito funciona automaticamente. Mas, a decisão tem de ser tomada conscientemente. 

 

O filme “Decisão de risco”, “Eyes in the sky”, é um perfeito exemplo do poder das decisões individuais.

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Novo vídeo: Sociologia do soltar

July 10, 2017

1/10
Please reload

Posts Recentes

January 28, 2017

January 3, 2017

January 1, 2017

December 4, 2016

November 21, 2016

November 19, 2016

Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

Hélio Couto - O Poder de Soltar - Todos os direitos reservados

Hélio Couto
Pat logo4.png
  • instagram
  • Facebook Social Icon
  • LinkedIn Social Icon